sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

os problemas do hífen

in diálogos lusófonos



O linguista e professor brasileiro Ernani Pimentel defende mais simplificação da ortografia da língua portuguesa e afirma que o novo Acordo Ortográfico já é antigo e não atende às necessidades actuais do idioma.   (http://www.destakes.com/search/?q=linguista)

O Acordo ortográfico e o uso do hífen

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, também no que se refere ao hífen, mostra-se superficial, confuso, caro e precisa ser revisto. Leia-se o primeiro item da Base XV.

“Emprega-se o hífen nas palavras compostas por justaposição que não contêm formas de ligação e cujos elementos, de natureza nominal, adjetival, numeral ou verbal, constituem uma unidade sintagmática ou semântica e mantêm acento próprio, podendo dar-se o caso de o primeiro elemento estar reduzido: ano-luz... és-sueste... turma-piloto; alcaide-mor... mato-grossense... porto-alegrense... luso-brasileiro, primeiro--ministro...; conta-gotas, finca-pé, guarda-chuva.

Obs.: certos compostos, em relação aos quais se perdeu, em certa medida, a noção de composição, grafam-se aglutinadamente: girassol, madressilva, mandachuva...”.

Pense-se no seguinte:

a. O texto só diz que o “o primeiro elemento pode estar reduzido”, mas apresenta exemplo com o segundo também reduzido: “alcaide-mor”.

b. Na relação de exemplos, o ponto-e-vírgula separa naturezas (nominal, adjetival, verbal), mas falta entre luso-brasileiro e primeiro-ministro (naturezas adjetival e numeral). Num texto oficial não cabem tais falhas.

c. A “Obs.” é oficialização de exceções. Essa é a oportunidade de se eliminarem as exceções, para economizar tempo e fosfato.

d. Pior que oficializar exceções é deixá-las vagas e incertas com expressões como “certos compostos”, “em certa medida” etc.

e. O texto cria dúvidas quando diz “grafam-se aglutinadamente” palavras como girassol, madressilva, mandachuva etc. que, em rigor não são aglutinadas, mas justapostas.

Vimos com hífen mato-grossense e porto-alegrense, portanto, pela lógica, usaremos o mesmo sinal em Mato-Grosso e Porto-Alegre, certo? Errado, porque, na regra seguinte, esses substantivos grafam-se sem hífen.

Logicamente se Mato Grosso, Porto Alegre e América do Sul são “palavras compostas grafadas separadamente”, Guiné Bissau também o será, certo? Errado, pois Guiné-Bissau constitui “exceção consagrada pelo uso”.

A conclusão é que este Acordo Ortográfico é bom como ponto de partida e tomada de consciência para que o Ministério da Educação estimule as Universidades Federais a pesquisarem o rico e desprezado acervo de palavras da Língua Portuguesa e a apontarem sugestões para a simplificação máxima, racional e objetiva das normas ortográficas.

A grafia de nossa língua merece e precisa ser moderna, fácil, econômica.

Nós merecemos a eliminação do tempo inútil e nossos dirigentes no-la precisam garantir.

Em pleno século XXI, não faz sentido uma população inteira despender (despender, com e; dispendioso, com i) anos e anos em educação nos níveis fundamental, médio e superior, para não saber ortografia, obrigando-se a passar o resto da vida consultando dicionários antes de escrever uma palavra. É muito desperdício de tempo por falta de consciência econômica educacional.

Os países lusófonos precisam evoluir com o terceiro milênio e permitir mais tempo útil aos cidadãos, eis a conclamação do momento às autoridades governamentais e universitárias.

Ernani Pimentel
Ex-seminarista, gramático, com formação em Língua Portuguesa, Latim e Linguística, professor de Análise de Texto, com formação em Teoria e em Análise Literária.

Sem comentários:

Enviar um comentário